31.12.10

adeus 2010

Não vale a pena escrever muitas linhas sobre este ano que foi, provavelmente, o mais angustiante da minha existência. A única coisa que desejo é que 2010 acabe e que venha de lá um ano novo, qual folha em branco, pronto para ser vivido e me permitir ser feliz como eu mereço.

Estas são as minhas últimas resoluções de 2010: nesta passagem de ano, não vou obrigar-me a comer uvas-passas porque não aprecio; vou pedir apenas um desejo porque todos os outros estão implícitos nele; e não vou ficar à espera de nada porque vou fazer acontecer tudo.

Para 2011, só tenho, para já, uma resolução: quero viajar. O resto é o que sempre quis, agora apenas com muito mais vontade.

Que seja um grande, grande 2011.

© [m.m. botelho]

24.12.10

feliz natal

Há uma canção, chamada «White Christmas», que começa assim: «I'm dreaming of a white Christmas, just like the ones I used to know». Gosto especialmente desta canção, porque tem uma melodia muito bela e, por isso, costumo cantá-la nesta época.
Este ano, contudo, dei-me conta de que já não me revejo na letra. Sim, este ano dei-me conta de que não sonho com um Natal igual aos que já conheço. Ao invés, sonho com Natais sempre diferentes, cheios de surpresa, que constituam desafios para mim enquanto pessoa e enquanto mulher.

Sonho e desejo, sonho e faço acontecer. Este Natal não será como os outros, não será como nenhum outro que eu tenha conhecido no passado. Será um Natal único, diferente, ancorado na minha própria diferença. Se eu não sou como era, não quero que os meus Natais e todas as outras coisas da minha vida sejam como eram. Quero um novo rumo, novos percursos, novas pontes, um novo modo de ser e de estar. Quero e faço acontecer.

Este ano, canto novamente a canção de que tanto gosto, mas com uma letra diferente: «I'm dreaming of a new Christmas, not like the ones I used to know». E gosto ainda mais dela assim.

Feliz Natal.

© [m.m. botelho]

21.12.10

absolutos e imutáveis

Sempre me questionei sobre o que será isso do «espírito do Natal». Uso correntemente a expressão e sei o que pretendo dizer quando a emprego. O que não sei é se os que me ouvem e os outros que a usam o fazem com o mesmo sentido. Todavia, creio que, no fundo, todos temos um ponto em comum: o «espírito do Natal» oscila entre a tranquilidade que advém de um inexplicável sentido de proximidade e comunhão de afectos que parecem "nascer" nesta altura do ano e o frenesim de presentear os que nos são queridos com algo que os faça felizes.

Na verdade, acho que poucas vezes fui invadida pelo «espírito do Natal». Quanto aos afectos, sinto-os durante todo o tempo, por quem os sinto, e mais não há a dizer. Por outro lado, não me lembro de alguma vez ter sido arrastada, à última da hora (que Dezembro é o último mês do ano), por uma vaga de solidariedade para com o semelhante. Quanto aos presentes, confesso que não tenho muita pachorra para o ritual da escolha, da compra, do embrulho, embora goste muito de dar e de receber presentes.

Este ano, não comprei nenhum presente de Natal para ofertar. Os pouquíssimos que já ofereci ou vou oferecer foram todos escolhidos por mim, mas comprados por outras pessoas que me libertaram do fardo de um processo que me é desconfortável. Isto não foi sempre assim, claro. Houve um tempo em que, mesmo não gostando de o fazer, o fazia. E houve um tempo, também, em que gostei verdadeiramente de o fazer. Este ano, contudo, decidi que só o faria se, chegado o tempo, me fizesse sentido fazê-lo. E não fez. Por isso, não há data no calendário que me force a fazer algo que nada me diz, não há convenção social que me vergue à estucha inerente à coisa, não há «espírito do Natal» que me entre pelos poros e me faça abdicar do princípio que estabeleci.

Para o ano, espero, haverá novamente Natal e, então, verei o que me fará sentido fazer, porque o que sinto agora pode sofrer alterações, como, de resto, já sofreu noutras alturas da minha vida. O que isto tem de maravilhoso que mereça ser plasmado por escrito é tão somente o facto de eu me dar conta da possibilidade de alteração de um comportamento e de ela não me perturbar, de eu recusar espartilhar-me em absolutos e em imutáveis, de eu ter deixado de resistir à mudança, de eu ser capaz de pôr em prática a ideia de que o que for, se verá e o que tiver de ser, será. Sim, isto é maravilhoso e merece ser plasmado por escrito, porque parte apenas de um pequeno e, porventura, insignificante exemplo da minha vida, mas é a materialização de uma grande, enorme, gigantesca evolução operada em mim.

© [m.m. botelho]

18.12.10

jai guru deva om

Sinto-me como não me sentia há meses! Tão bem, tão leve, tão liberta, tão suficiente, tão diferente que acredito fervorosamente que o remate de 2010 vai compensar tudo o que passei este ano. «Jai guru deva Om»!

© [m.m. botelho]

15.12.10

um pedido a meio do mês

fonte: web

Que este não seja, nunca, o mais cruel de todos os meses.

© [m.m. botelho]

nobody told you how to unfold your love


The Beatles, «While my guitar gently weeps».
Do álbum «The Beatles» [1968].

7.12.10

sonhos

© explodingdog [06.12.2010]

Em trinta anos de vida, lembro-me de uma mão cheia de sonhos, não mais do que isso. Desses, dois foram pesadelos, dois circunscrevem-se a projecções de desejos que acalento para o futuro e o quinto é algo que oscila entre uma coisa e outra, algo que me angustiava muito e que me era doloroso, mas que eu achava que poderia trazer coisas boas se tivesse acontecido na realidade.
Há uns dias, disseram-me que a partir de agora, porque se deu um determinado acontecimento que para mim tinha muita importância, eu haveria de começar a recordar-me dos sonhos que teria. Repliquei que dificilmente assim seria, visto que raramente acordo com a percepção daquilo que povoou a minha cabeça durante o descanso, mas que, todavia, estaria atenta a uma eventual mudança no que a isso respeita.

Esta semana sucedeu que acordei por duas vezes com a perfeita noção de que estava a sonhar. Não sou capaz de reconstituir os acontecimentos, nem as situações, nem os contextos, mas sei que estava a sonhar com qualquer coisa. Isto é algo que também nunca me tinha acontecido, visto que ou me recordava nitidamente do que sonhara ou não me recordava de absolutamente nada.
Fiz um esforço para me lembrar do que estava a viver nos sonhos, mas não fui capaz de descortinar coisa alguma. Tenho apenas presente a sensação de que processei algo de olhos fechados, mas não consigo perceber o que seria.

Agora que penso nisso, já me aconteceu o mesmo estando de olhos abertos. Há acontecimentos - recentes - que sei que vivi, mas não sou capaz de reconstituir com precisão na minha cabeça. Esta é uma sensação muito estranha para quem, como eu, tem memória de elefante e regista durante longo tempo quase tudo o que lhe acontece e que assuma particular relevo.

É possível que uma coisa esteja relacionada com a outra. É possível que tudo isto sejam manifestações de aspectos que ainda não compreendo, mas virei a compreender. Apesar de esta ser uma realidade nova para mim, está a ser muito satisfatório aperceber-me dela. Deparo-me com um desconhecido que sei que virei a conhecer, quando for o tempo, e isso é aliciante. Vejo caminho para percorrer e isso é bom. É sinal de que não estou parada, de que os processos internos estão a ser cumpridos. Finalmente, estou a fazer algo por mim e para mim a partir de dentro. Só agora arranquei para esta viagem, mas sinto que arranquei de vez. E não hei-de parar enquanto não chegar ao meu destino.

© [m.m. botelho]

not like the others


The Divine Comedy, «Commuter Love».
Do álbum «Fin de Siècle» [1998].

3.12.10

aprendiz

fotografia de Cesarr Spencer Terrio [2010]

«Na escola da vida não há férias.»
Jorge Amado, «Os Pastores da Noite» [1964]

Se alguma certeza adquiri ao longo da vida, foi a de que não quero chegar ao fim da estrada, olhar para trás e dizer: «Não fiz tudo o que podia». Não. Quero chegar à linha de chegada com a consciência de que nem sempre estive bem, mas fui estando sempre cada vez melhor. Quero poder revisitar todos os episódios da minha história e ver que houve erros meus, mas que a cada erro se seguiu a sua assunção, o enfrentamento das suas consequências e - importantíssimo - que fiz tudo o que estava ao meu alcance para o corrigir.

Não acredito em imperdoáveis, tal como não acredito em impossíveis. Prefiro crer no poder das palavras e dos gestos. Crer nas pessoas e na sua vontade. Crer na coragem e nos afectos. Por isso, embora não descure nenhum dos dois, dou mais importância às soluções do que aos males. E não me lembro de alguma vez ter desistido até ter feito tudo o que me era possível para que vingasse o melhor cenário.

No que à vida diz respeito, sou uma aprendiz sem pretensões de chegar a mestre. Espero apenas manter a lucidez suficiente para chegar ao fim da viagem sem ter saltado nenhuma etapa, nenhuma emenda a seguir a cada falha. Só assim poderei chegar inteira e melhor do que era quando parti.

Se chegasse hoje, chegaria tranquila. Não contornei nenhum obstáculo.

© [m.m. botelho]

2.12.10

instantâneos [6]

1.12.10

o tempo que resta


«O Tempo passado é mestre do presente e do porvir.»
provérbio brasileiro

Uma das conclusões a que o passar dos anos (já lá vão uns quantos) e alguma porradinha que fui levando da vida me permitiram chegar é a de que o Tempo não resolve nada por ninguém. Pode ajudar-nos a relativizar os acontecimentos; dá-nos, seguramente, um certo distanciamento em relação às emoções que os factos ocorridos despertaram em nós; traz-nos a indispensável estabilidade mínima para que consigamos raciocinar sobre o que vivemos. Porém, por si só, o Tempo não resolve nada.
Pode contribuir para que as feridas não fiquem em carne viva, mas não as cura, não as cicatriza, não reata os laços que entretanto ele mesmo ajudou a desatar. O Tempo não aproxima as pessoas, não traz de volta à vida os corações, não transmite aquilo que só as palavras e os gestos podem transmitir. O Tempo não fala, não age, não explica, não escuta, não compreende: isso só as pessoas podem fazer.

Cada vez mais me convenço disto: embora nada possamos fazer para modificar o passado, temos sempre a possibilidade de alguma coisa fazer para melhorar o futuro. Porque o importante não é o que fizemos com o Tempo que já se foi, mas sim o que ainda podemos fazer com o Tempo que nos resta. Importa é fazê-lo no momento certo, porque, a cada dia que passa, corremos sempre o risco de ter deixado passar tempo demais.

© [m.m. botelho]

eu

[m.m.b.]
blogues: viagens interditas [textos] || vermelho.intermitente [textos]
e-mail: viagensinterditas @ gmail . com [remover os espaços]

blogues

os meus refúgios || 2 dedos de conversa || 30 and broke || a causa foi modificada [off] || a cidade dos prodígios || a cidade surpreendente || a curva da estrada || a destreza das dúvidas || a dobra do grito || a livreira anarquista || a mulher que viveu duas vezes || a outra face da cidade surpreendente || a minha vida não é isto || a montanha mágica || a namorada de wittgenstein || a natureza do mal || a tempo e a desmodo || a terceira noite || as folhas ardem || aba da causa || adufe || ágrafo || ainda não começámos a pensar || albergue dos danados || alexandre soares silva [off] || almocreve das petas [off] || animais domésticos || associação josé afonso || ana de amsterdam || antónio sousa homem || atum bisnaga || avatares de um desejo || beira-tejo || blecaute-boi || bibliotecário de babel || blogtailors || blogue do jornal de letras || bolha || bomba inteligente || cadeirão voltaire || café central || casadeosso || causa nossa || ciberescritas || cibertúlia || cine highlife || cinerama || coisas do arco da velha || complexidade e contradição || córtex frontal [off] || crítico musical [off] || dados pessoais || da literatura || devaneios || diário de sombras || dias assim || dias felizes || dias im[perfeitos] || dias úteis || educação irracional || entre estantes || explodingdog > building a world || f, world [guests only] || fogo posto || francisco josé viegas - crónicas || french kissin' || gato vadio [livraria] || guilhermina suggia || guitarra de coimbra 4 [off] || húmus. blogue rascunho.net || il miglior fabbro || imitation of life || indústrias culturais || inércia introversão intusiasmo || insónia || interlúdio || irmão lúcia || jugular || lei e ordem || lei seca [guests only] || leitura partilhada || ler || literatura e arte || little black spot || made in lisbon || maiúsculas [off] || mais actual || medo do medo || menina limão || menino mau || miss pearls || modus vivendi || monsieur|ego || moody swing || morfina || mundo pessoa || noite americana || nuno gomes lopes || nu singular || o amigo do povo || o café dos loucos || o mundo de cláudia || o que cai dos dias || os livros ardem mal || os meus livros || oldies and goldies || orgia literária || ouriquense || paulo pimenta diários || pedro rolo duarte || pequenas viagens || photospathos || pipoco mais salgado || pó dos livros || poesia || poesia & lda. || poetry café || ponto media || poros || porto (.) ponto || postcard blues [off] || post secret || p.q.p. bach || pura coincidência || quadripolaridades || quarta república || quarto interior || quatro caminhos || quintas de leitura || rua da judiaria || saídos da concha || são mamede - cae de guimarães || sem compromisso || semicírculo || sem pénis nem inveja || sem-se-ver || sound + vision || teatro anatómico || the ballad of the broken birdie || the sartorialist || theoria poiesis praxis || theatro circo || there's only 1 alice || torreão sul || ultraperiférico || um amor atrevido || um blog sobre kleist || um voo cego a nada || vida breve || vidro duplo || vodka 7 || vontade indómita || voz do deserto || we'll always have paris || zarp.blog

cultura e lazer

agenda cultural de braga || agenda cultura de évora || agenda cultural de lisboa || agenda cultural do porto || agenda cultural do ministério da cultura || agenda cultural da universidade de coimbra || agenda de concertos - epilepsia emocional || amo.te || biblioteca nacional || CAE figueira da foz || café guarany || café majestic || café teatro real feitorya || caixa de fantasia || casa agrícola || casa das artes de vila nova de famalicão || casa da música || centro cultural de belém || centro nacional de cultura || centro português de fotografia || cinecartaz || cinema 2000 || cinema passos manuel || cinema português || cinemas medeia || cinemateca portuguesa || clube de leituras || clube literário do porto || clube português artes e ideias || coliseu do porto || coliseu dos recreios || companhia nacional de bailado || culturgest || culturgest porto || culturporto [rivoli] || culturweb || delegação regional da cultura do alentejo || delegação regional da cultura do algarve || delegação regional da cultura do centro || delegação regional da cultura do norte || e-cultura || egeac || era uma vez no porto || europarque || fábrica de conteúdos || fonoteca || fundação calouste gulbenkian || fundação de serralves || fundação engenheiro antónio almeida || fundação mário soares || galeria zé dos bois || hard club || instituto das artes || instituto do cinema, audiovisual e multimédia || instituto português da fotografia || instituto português do livro e da biblioteca || maus hábitos || mercado das artes || mercado negro || museu nacional soares dos reis || o porto cool || plano b || porto XXI || rede cultural || santiago alquimista || são mamede - centro de artes e espectáculos de guimarães || sapo cultura || serviço de música da fundação calouste gulbenkian || teatro académico gil vicente || teatro aveirense || teatro do campo alegre || theatro circo || teatro helena sá e costa || teatro municipal da guarda || teatro nacional de são carlos || teatro nacional de são joão || teatropólis || ticketline || trintaeum. café concerto rivoli

leituras e informação

365 [revista] || a cabra - jornal universitário de coimbra || a oficina [centro cultural vila flor - guimarães] || a phala || afrodite [editora] || águas furtadas [revista] || angelus novus [editora] || arquitectura viva || arte capital || assírio & alvim [editora] || associação guilhermina suggia || attitude [revista] || blitz [revista] || bodyspace || book covers || cadernos de tipografia || cosmorama [editora] || courrier international [jornal] || criatura revista] || crí­tica || diário de notícias [jornal] || el paí­s [jornal] || el mundo [jornal] || entre o vivo, o não-vivo e o morto || escaparate || eurozine || expresso [jornal] || frenesi [editora] || goldberg magazine [revista] || granta [revista] || guardian unlimited [jornal] || guimarães editores [editora] || jazz.pt || jornal de negócios [jornal] || jornal de notí­cias [jornal] || jusjornal [jornal] || kapa [revista] || la insignia || le cool [revista] || le monde diplomatique [jornal] || memorandum || minguante [revista] || mondo bizarre || mundo universitário [jornal] || os meus livros || nada || objecto cardí­aco [editora] || pc guia [revista] || pnethomem || pnetmulher || poets [AoAP] || premiere [revista] || prisma.com [revista] || público pt [jornal] || público es [jornal] || revista atlântica de cultura ibero-americana [revista] || rezo.net || rolling stone [revista] || rua larga [revista] || sol [jornal] || storm magazine [revista] || time europe [revista] || trama [editora] || TSF [rádio] || vanity fair [revista] || visão [revista]

direitos de autor dos textos

Os direitos de autor dos textos publicados neste blogue, com excepção das citações com autoria devidamente identificada, pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

direitos de autor das imagens

Os direitos de autor de todas as imagens publicadas neste blogue cuja autoria ou fonte não sejam identificadas pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

algumas notas importantes sobre os direitos de autor

» O âmbito do direito de autor e os direitos conexos incidem a sua protecção sobre duas realidades: a tutela das obras e o reconhecimento dos respectivos direitos aos seus autores.
» O direito de autor protege as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, por qualquer modo exteriorizadas.
» Obras originais são as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, qualquer que seja o seu género, forma de expressão, mérito, modo de comunicação ou objecto.
» Uma obra encontra-se protegida, logo que é criada e fixada sob qualquer tipo de forma tangível de modo directo ou com a ajuda de uma máquina.
» A protecção das obras não está sujeita a formalização alguma. O direito de autor constitui-se pelo simples facto da criação, independentemente da sua divulgação, publicação, utilização ou registo.
» O titular da obra é, salvo estipulação em contrário, o seu criador.
» A obra não depende do conhecimento pelo público. Ela existe independente da sua divulgação, publicação, utilização ou exploração, apenas se lhe impondo, para beneficiar de protecção, que seja exteriorizada sob qualquer modo.
» O direito de autor pertence ao criador intelectual da obra, salvo disposição expressa em contrário.