31.8.11

havemos de rir?

fonte: visto aqui

Ou então, não. Se calhar, há coisas, por muitos anos que passem, por muito silêncio que se instale, por muita insignificância que se lhes atribua, das quais não seremos capazes de rir. Nem mesmo se pertencermos àquele grupo de pessoas cujo objecto de humor preferido é a sua própria vida, como é o meu caso. Simplesmente, porque há coisas que não são risíveis. E não vale a pena fazer malabarismos quanto a factos incontornáveis: não são risíveis, não têm piada, não têm a capacidade de nos desenhar sequer um sorriso no rosto, quanto mais uma gargalhada. Não são risíveis e ponto final.

© [m.m. botelho]

Notas: 1. A imagem que ilustra este post não está aqui por acaso, obviamente. 2. Já a inspiração para o título deste post fui buscá-la à peça de teatro «Havemos de rir?», da autoria da escritora portuguesa Maria Judite de Carvalho [1921-1998].

22.8.11

o que faz as noites

A noite de sexta-feira e a de sábado passados foram, provavelmente, as duas noites mais quentes e mais agradáveis do ano até agora. Para mim, foram duas noites excepcionais. Hoje [é uma da manhã de segunda-feira], chove e até já trovejou. Quem comparar a noite anterior com esta, quase não acredita que aconteceram em dias seguidos.

Sucede que o que faz as noites não é a meteorologia, mas a companhia. Daí as minhas, independentemente dos graus que o termómetro marcou, terem sido todas absolutamente excepcionais.

© [m.m. botelho]

19.8.11

"guê érre"

Esta manhã, ligo para casa da minha Mãe e ouço o meu sobrinho-afilhado a palrar imenso. Pergunto o que está a fazer e a minha Mãe responde-me que ele está a ler uma receita de biscoitos a partir de um livro de culinária. Está a ler-lhe impecavelmente os ingredientes [não falhou nenhum], sendo que insiste particularmente para que a Avó não se esqueça da canela. Diz o número de ovos necessários e as medidas quase todas certas. Sabe ler "300", mas não sabe que "gr." é a abreviatura de gramas, por isso lê "300 guê érre de farinha".

São três anos feitos há pouco mais de um mês, mas isto já é assim há uma data de tempo. Lê receitas, notícias e rótulos das embalagens todas que apanhar à mão. Este rapaz deixa-nos de queixo caído. Completamente.

© [m.m. botelho]

18.8.11

«te quero livre»


Marisa Monte. «A sua».
Do álbum compacto «Marisa Monte» [2001].

«Eu te quero livre também, como o tempo vai e o vento vem.»
É extraordinário quando quer nos quer, nos quer livres. É simplesmente extraordinário, caramba! :)

© [m.m. botelho]

sinceridade

«A sinceridade nunca foi um assunto com que tivesse muitos problemas. Há pessoas que reagem mal, mas isso é problema delas.»
Pedro Mexia, 17.08.2011, em entrevista ao jornal «i»

Estas palavras não são minhas, mas poderiam ser. Concordo absolutamente com a observação de que o busílis das relações humanas não está na honestidade dos que dizem o que pensam e o que sentem, mas sim nos que ficam incomodados quando as pessoas o fazem. É, sem dúvida, muito mais fácil fazer fretes e ser sempre piedoso com os outros, não vão eles sentir-se melindrados.

Sucede que eu nunca apreciei facilitismos: desinteressam-me profundamente, fazem-me "perder a pica". De igual modo, também nunca apreciei gentilezas convencionais, nem dos outros para comigo, nem de mim para com os outros. Digamos que não sou insondável, mas também não sou previsível, porque raramente faço "o que é suposto", embora seja extremamente rigorosa na boa educação com que o faço [prezo muito o berço e o chá que me deram o privilégio de beber quando era pequenina].

Os meus golpes de misericórdia são, por isso, muito poucos, mas quem gosta de mim sabe isso e sabe que só pode gostar se aceitar isso. É por isso que eu não sou para todos, sou só para os que me merecem. Ora, como não me falta quem goste de mim, quem me queira bem e quem me ame e lide bem com a minha sinceridade [enchem uma mão, talvez, mas enchem todo o espaço disponível na minha vida para receberem em retorno tudo aquilo a que têm direito], não me falta nada, absolutamente nada no que aos afectos concerne e a sinceridade não é, nem poderia ser, um entrave nas minhas relações pessoais. Quanto aos que não gostam disso, bem, usando a expressão do Pedro Mexia, «isso é problema deles».

Tenho cá para mim que se cada um tomasse consciência disso e deixasse de apontar o dedo ao vizinho só porque ele lhe disse umas verdades nas lindas trombas e se preocupasse mais em avaliar o seu comportamento em vez de fazer tergiversações psicanalíticas do comportamento alheio, o mundo talvez fosse um lugar um bocadinho melhor, mas para isso era preciso que fossemos todos da mesma cêpa e, infelizmente, não somos. É, também por isso, que o Pedro Mexia está coberto de razão. Claro que eu só podia mesmo concordar com ele.

© [m.m. botelho]

16.8.11

consequências

fonte: visto aqui

Eis um facto que todos conhecemos, mas que às vezes esquecemos. A vida, essa em que não há almoços grátis, encarrega-se sempre de nos lembrar que assim é e que assim sempre será. Sempre. E isto não tem nada de paradoxal. Tem é muito de murro no estômago, isso sim, e de instrutivo, quando há perspicácia suficiente para aprender.

© [m.m. botelho]

10.8.11

um "sonho lindo" de olhos abertos

Os sentimentos mais arrebatadores, como a paixão e o amor, têm como efeito fazer-nos pensar no objecto dos mesmos desde que acordamos até que nos deitamos. Desconheço se terão também o efeito de nos fazer sonhar com ele, o objecto da nossa afeição, visto que num ano e tal (contado com precisão) me recordo de apenas quatro sonhos (devidamente anotados num caderno de capa preta) e nenhum deles votado ao assunto (talvez porque os afectos foram definhando e há já muitos meses desse ano que não existiam). Agora, que existem, o estado de coisas mantém-se: não me lembro de nadinha do que sonho... ainda!

É algo que me entristece, o facto de não poder resgatar o meu material onírico para depois discorrer sobre ele quando estou acordada. Por outro lado, pensando bem, talvez isso seja uma bênção. Se já tenho tanto a ocupar-me a mente quando estou acordada (desde que abro a pestana até que a fecho para o sono dos justos), como teria eu tempo para me debruçar sobre o que penso quando estou a dormir? Não teria, seguramente.

Há quem me diga que haverá de chegar o dia em que recordarei os sonhos com toda a naturalidade do mundo e que aquelas páginas agora em branco do caderno de capa preta ficarão cheias de palavras. Durante muito tempo, olhava para elas e via as linhas azuis claras debaixo de palavras que não estavam lá escritas, mas que eu gostaria que estivessem. Sim, durante algum tempo, eu quis muito sonhar com isto e aquilo (que eu sei o que é, mas não quero escrever aqui). Agora, não quero sonhar com nada. Não sei se o dia da recordação virá, não quero saber. Ando a viver uma espécie de "sonho lindo" de olhos abertos e isso faz-me tão bem e é tão bom que, sinceramente, pouco me importa o que a minha cabeça processa quando está em modo "às escuras". Estou acordada e a viver, mas a sonhar em simultâneo e isso basta-me.

Ora, depois de uma extraordinária viagem a Israel, o que mais é que uma alma simples como a minha pode pedir? Nada. Não posso pedir nada e nem sei como agradecer tudo isto. Acho que vou só aproveitar e desejar, com todas as forças, que nunca acabe. Sim, porque há sempre um sonho que é o último e eu quero acreditar com todas as forças que este é o meu. Já acreditei outras vezes e enganei-me, mas eu nunca disse que desistia daquilo que quero com facilidade e tudo por uma simples razão: porque não desisto. Não desisto, não, por isso é que sei que haverá de chegar o dia em que acertarei no alvo e o sonho perdurará e será o último: bom, pleno, feliz e perene.

Deixemos o tempo fazer o seu trabalho e as cãs assomarem mais, que ainda são muito poucas. Eu estarei cá, de bilhete na mão, para verificar o resultado da minha aposta, com igual coragem para descobrir se será bom ou mau. Deixar de apostar é que não. Deixar de sonhar acordada é que nunca.

© [m.m. botelho]

7.8.11

more to life

© Hugh MacLeod
fonte: gapinvoid.com

Passaram três semanas em que estive em três destinos diferentes e, por isso, há muito para registar. Sucede que tudo o que me apetece agora é viver e não, propriamente, escrever sobre o que tenho vivido, não obstante o facto de que o que tenho vivido tem sido absolutamente maravilhoso e inesperado. Estou a amar, a vida e não só, e isso ocupa-me demasiado o corpo, a mente e o tempo para que possa vir aqui, para já, escrever sobre isso. Agora vou só aproveitar o que a vida me dá e dar graças.

[Deveria acreditar mais nos horóscopos. Às vezes, têm mesmo razão. E na minha intuição também, que até agora e incrivelmente ainda não me abandonou.]

© [m.m. botelho]

eu

[m.m.b.]
blogues: viagens interditas [textos] || vermelho.intermitente [textos]
e-mail: viagensinterditas @ gmail . com [remover os espaços]

blogues

os meus refúgios || 2 dedos de conversa || 30 and broke || a causa foi modificada [off] || a cidade dos prodígios || a cidade surpreendente || a curva da estrada || a destreza das dúvidas || a dobra do grito || a livreira anarquista || a mulher que viveu duas vezes || a outra face da cidade surpreendente || a minha vida não é isto || a montanha mágica || a namorada de wittgenstein || a natureza do mal || a tempo e a desmodo || a terceira noite || as folhas ardem || aba da causa || adufe || ágrafo || ainda não começámos a pensar || albergue dos danados || alexandre soares silva [off] || almocreve das petas [off] || animais domésticos || associação josé afonso || ana de amsterdam || antónio sousa homem || atum bisnaga || avatares de um desejo || beira-tejo || blecaute-boi || bibliotecário de babel || blogtailors || blogue do jornal de letras || bolha || bomba inteligente || cadeirão voltaire || café central || casadeosso || causa nossa || ciberescritas || cibertúlia || cine highlife || cinerama || coisas do arco da velha || complexidade e contradição || córtex frontal [off] || crítico musical [off] || dados pessoais || da literatura || devaneios || diário de sombras || dias assim || dias felizes || dias im[perfeitos] || dias úteis || educação irracional || entre estantes || explodingdog > building a world || f, world [guests only] || fogo posto || francisco josé viegas - crónicas || french kissin' || gato vadio [livraria] || guilhermina suggia || guitarra de coimbra 4 [off] || húmus. blogue rascunho.net || il miglior fabbro || imitation of life || indústrias culturais || inércia introversão intusiasmo || insónia || interlúdio || irmão lúcia || jugular || lei e ordem || lei seca [guests only] || leitura partilhada || ler || literatura e arte || little black spot || made in lisbon || maiúsculas [off] || mais actual || medo do medo || menina limão || menino mau || miss pearls || modus vivendi || monsieur|ego || moody swing || morfina || mundo pessoa || noite americana || nuno gomes lopes || nu singular || o amigo do povo || o café dos loucos || o mundo de cláudia || o que cai dos dias || os livros ardem mal || os meus livros || oldies and goldies || orgia literária || ouriquense || paulo pimenta diários || pedro rolo duarte || pequenas viagens || photospathos || pipoco mais salgado || pó dos livros || poesia || poesia & lda. || poetry café || ponto media || poros || porto (.) ponto || postcard blues [off] || post secret || p.q.p. bach || pura coincidência || quadripolaridades || quarta república || quarto interior || quatro caminhos || quintas de leitura || rua da judiaria || saídos da concha || são mamede - cae de guimarães || sem compromisso || semicírculo || sem pénis nem inveja || sem-se-ver || sound + vision || teatro anatómico || the ballad of the broken birdie || the sartorialist || theoria poiesis praxis || theatro circo || there's only 1 alice || torreão sul || ultraperiférico || um amor atrevido || um blog sobre kleist || um voo cego a nada || vida breve || vidro duplo || vodka 7 || vontade indómita || voz do deserto || we'll always have paris || zarp.blog

cultura e lazer

agenda cultural de braga || agenda cultura de évora || agenda cultural de lisboa || agenda cultural do porto || agenda cultural do ministério da cultura || agenda cultural da universidade de coimbra || agenda de concertos - epilepsia emocional || amo.te || biblioteca nacional || CAE figueira da foz || café guarany || café majestic || café teatro real feitorya || caixa de fantasia || casa agrícola || casa das artes de vila nova de famalicão || casa da música || centro cultural de belém || centro nacional de cultura || centro português de fotografia || cinecartaz || cinema 2000 || cinema passos manuel || cinema português || cinemas medeia || cinemateca portuguesa || clube de leituras || clube literário do porto || clube português artes e ideias || coliseu do porto || coliseu dos recreios || companhia nacional de bailado || culturgest || culturgest porto || culturporto [rivoli] || culturweb || delegação regional da cultura do alentejo || delegação regional da cultura do algarve || delegação regional da cultura do centro || delegação regional da cultura do norte || e-cultura || egeac || era uma vez no porto || europarque || fábrica de conteúdos || fonoteca || fundação calouste gulbenkian || fundação de serralves || fundação engenheiro antónio almeida || fundação mário soares || galeria zé dos bois || hard club || instituto das artes || instituto do cinema, audiovisual e multimédia || instituto português da fotografia || instituto português do livro e da biblioteca || maus hábitos || mercado das artes || mercado negro || museu nacional soares dos reis || o porto cool || plano b || porto XXI || rede cultural || santiago alquimista || são mamede - centro de artes e espectáculos de guimarães || sapo cultura || serviço de música da fundação calouste gulbenkian || teatro académico gil vicente || teatro aveirense || teatro do campo alegre || theatro circo || teatro helena sá e costa || teatro municipal da guarda || teatro nacional de são carlos || teatro nacional de são joão || teatropólis || ticketline || trintaeum. café concerto rivoli

leituras e informação

365 [revista] || a cabra - jornal universitário de coimbra || a oficina [centro cultural vila flor - guimarães] || a phala || afrodite [editora] || águas furtadas [revista] || angelus novus [editora] || arquitectura viva || arte capital || assírio & alvim [editora] || associação guilhermina suggia || attitude [revista] || blitz [revista] || bodyspace || book covers || cadernos de tipografia || cosmorama [editora] || courrier international [jornal] || criatura revista] || crí­tica || diário de notícias [jornal] || el paí­s [jornal] || el mundo [jornal] || entre o vivo, o não-vivo e o morto || escaparate || eurozine || expresso [jornal] || frenesi [editora] || goldberg magazine [revista] || granta [revista] || guardian unlimited [jornal] || guimarães editores [editora] || jazz.pt || jornal de negócios [jornal] || jornal de notí­cias [jornal] || jusjornal [jornal] || kapa [revista] || la insignia || le cool [revista] || le monde diplomatique [jornal] || memorandum || minguante [revista] || mondo bizarre || mundo universitário [jornal] || os meus livros || nada || objecto cardí­aco [editora] || pc guia [revista] || pnethomem || pnetmulher || poets [AoAP] || premiere [revista] || prisma.com [revista] || público pt [jornal] || público es [jornal] || revista atlântica de cultura ibero-americana [revista] || rezo.net || rolling stone [revista] || rua larga [revista] || sol [jornal] || storm magazine [revista] || time europe [revista] || trama [editora] || TSF [rádio] || vanity fair [revista] || visão [revista]

direitos de autor dos textos

Os direitos de autor dos textos publicados neste blogue, com excepção das citações com autoria devidamente identificada, pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

direitos de autor das imagens

Os direitos de autor de todas as imagens publicadas neste blogue cuja autoria ou fonte não sejam identificadas pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

algumas notas importantes sobre os direitos de autor

» O âmbito do direito de autor e os direitos conexos incidem a sua protecção sobre duas realidades: a tutela das obras e o reconhecimento dos respectivos direitos aos seus autores.
» O direito de autor protege as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, por qualquer modo exteriorizadas.
» Obras originais são as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, qualquer que seja o seu género, forma de expressão, mérito, modo de comunicação ou objecto.
» Uma obra encontra-se protegida, logo que é criada e fixada sob qualquer tipo de forma tangível de modo directo ou com a ajuda de uma máquina.
» A protecção das obras não está sujeita a formalização alguma. O direito de autor constitui-se pelo simples facto da criação, independentemente da sua divulgação, publicação, utilização ou registo.
» O titular da obra é, salvo estipulação em contrário, o seu criador.
» A obra não depende do conhecimento pelo público. Ela existe independente da sua divulgação, publicação, utilização ou exploração, apenas se lhe impondo, para beneficiar de protecção, que seja exteriorizada sob qualquer modo.
» O direito de autor pertence ao criador intelectual da obra, salvo disposição expressa em contrário.