27.9.11

«dança dos desacomodados»

Extraordinária, a capacidade que todos temos de empurrar para cima dos outros a responsabilidade pelas situações que nós mesmos criámos com os nossos comportamentos ou as nossas palavras. Já sei disto (aprendi), mas não cesso de me espantar com a frequência com que acontece e com o facto de acontecer a toda a gente.

Claro que chegar à conclusão que fomos nós e não o outro quem criou a situação é o passo n.º 1 (o mais complexo e também o mais difícil) na tomada de consciência de que a responsabilidade pela criação da situação é nossa e não do parceiro de modo a, quem sabe, tentar contrariar essa tendência tão frequente e tão comum nas relações humanas.

Chamo a este processo «dança dos desacomodados». Porque houve dias em que também eu fui muito comodista e, mesmo sem grande jeito para a bola, às vezes lá caía na tentação de "chutar para canto", que é como quem diz, de pôr a responsabilidade das situações criadas por mim nos ombros do outro. Depois isso começou a incomodar-me e eu aprendi que, das duas uma: ou se é desacomodado ou não se aprende a viver.

Há que dançar esta dança, nem que para isso seja necessário ir ter umas aulas com um bom instrutor. Há que fazê-lo, há que aprender, porque quem tira as maiores vantagens desse passo acertado somos nós mesmos.

© [m.m. botelho]

saudades do verão


Michael Holborn. «Ready to Rise and Shine».
Inédito [2011].

[E o Verão foi embora há tão pouco tempo!]

26.9.11

2 golos

O meu sobrinho lê desde os dois anos e meio. Agora, que já passou os três, não só lê como interpreta. Não quer que ninguém lhe leia as histórias antes de ir dormir, quer ser ele mesmo a pegar no livro, escolher a história e lê-la em voz alta para ele mesmo. Ninguém o ensinou a ler: naquela cabecinha fantástica que ele tem, foi capaz de perceber como funciona este código de letras que formam palavras que formam parágrafos que formam histórias.

Na passada semana, na quarta-feira, jogou à bola no Colégio. Segundo o seu relato entusiasta, corroborado pela educadora de infância e pelo motorista da carrinha que o vem trazer a casa, marcou dois golos. «Dois golos, dois!», repetiu, muitas vezes, à bisavó. Ninguém o ensinou a jogar à bola: naquela cabecinha fantástica que ele tem, foi capaz de perceber como funciona o código de passes que formam jogadas que originam remates que marcam golos.

Eu, acho que em toda a minha vida só marquei três golos (e até nem desgostava nem desgosto de jogar à bola, não tinha e não tenho é queda para a concretização dos golos). Assim sendo, há esperança! Há esperança de que, afinal, o meu sobrinho não seja um «nerd» como eu. Fiquemo-nos, portanto, pela mancha sépia na pele, a covinha no queixo e a mania das perguntas, que já ficamos muito bem.

© [m.m. botelho]

24.9.11

outono

Pisamos no chão o outono
e numa inspiração principiamos
o tempo que há-de vir:
as falésias, os lagos inundados de sol,
a casa habitada entre as árvores,
o silêncio essencial de todas as pedras.

pisamos como se bebêssemos o sentido,
como se em dez dedos coubesse o corpo
de uma mulher altíssima, sábia dos dias,
e a cama escutasse de noite a geração das coisas
sem que as paredes contivessem o ventre oculto.

dá-se em mim o sangue desse amor tão impensável
- na palavra que me leva os lábios o calor dos pulsos,
depois acendo as lágrimas e desenho no ar as tuas mãos.
Vasco Gato [n. 1978].
«depois do frio, ainda. um». in «um mover de mão» [2000]

21.9.11

instantâneos [37]

© David Seidner [2011]. Cy Twombly’s workspace.
[visto aqui]

17.9.11

diké

E quatro anos e picos depois, eu voltei a terminar um quadro. O nome é «Diké», o mesmo da deusa grega dos julgamentos e da justiça. Não o pintei para mim, pintei-o para o ofertar. O que importa mesmo assinalar é que finalmente, quatro anos e picos depois, eu voltei a conseguir começar e acabar uma das actividades que mais prazer me dá: pintar e desenhar.

Obrigada, Universo, por uma vez mais me mostrares que quem dá, recebe; quem semeia, colhe e quem deseja, concretiza.

© [m.m. botelho]

16.9.11

intransmissível

Chegar a casa depois de um jantar tardio, descalçar os sapatos, despir a roupa, escovar os dentes, pensar apenas em enfiar-me debaixo dos lençóis. Sem o esperar, receber um sms pedindo-me que não me deite sem ver o e-mail. Ligar o computador só para saber porquê e encontrar um mensagem que dizia apenas isto:

«Moça
Me espere amanhã
Levo o meu coração
Pronto p'ra te entregar
Moça
Moça eu te prometo
Eu me viro do avesso
Só p'ra te abraçar
Moça
Sei que já não é pura
Teu passado é tão forte
Pode até machucar
Moça
Dobre as mangas do tempo
Jogue o teu sentimento
Todo em minhas mãos

Eu quero me enrolar
Nos teus cabelos
Abraçar
Teu corpo inteiro
Morrer de amor
De amor me perder»


As palavras são do Caetano Veloso, a dedicatória era para mim, o que eu senti fica cá dentro. Para fora vai apenas este registo do momento e esta frase [em palavras minhas]: «Estou à tua espera.».

© [m.m. botelho]

14.9.11

amy

Hoje, 14.09.2011, se fosse viva, Amy Winehouse faria 28 anos. Hoje, 14.09.2011, foi revelado o dueto que a cantora gravou com o norte-americano Tony Bennett. A canção chama-se «Body and Soul» e ilustra bem o talento, a singularidade e a qualidade irrepreensível de tudo o que Amy Winehouse deixou gravado.


Amy Winehouse & Tony Bennett. «Body and Soul».
Inédito [2011].

A canção foi gravada em Londres, Março de 2011 e os direitos irão reverter integralmente a favor da «Amy Winehouse Foundation», criada pela família da cantora, para ajudar jovens que tenham problemas com o consumo de drogas.

[Adenda: Agora reparo que , no vídeo, Amy Winehouse está a usar uma «Arygle Longline sweater» de gola em V, pertencente à colecção que a mesma produziu para a Fred Perry. Encantador.]

© [m.m. botelho]

7.9.11

my body is not a cage

Ao ler isto que a Ana escreveu, não consegui deixar de ter presente que, para mim, tudo o que não seja indiferença tem uma conotação positiva ou negativa. Por isso, em situações como a descrita no post da Ana, opto por trabalhar interiormente o que sinto, até atingir o estado de indiferença (como se nunca houvesse conhecido a pessoa, como se nada soubesse sobre aquela pessoa).

Para atingir este estado, ajuda-me muito focar-me em mim e só em mim sempre que me dou conta de que estou a despender energias desnecessárias com quem não devo. Se isso acontecer, nada como tomar consciência do facto, recentrar-me em mim e lembrar-me de que tudo tem um retorno e que, portanto, produzir (ainda que apenas com o pensamento) energias negativas ou que me desgastem, tem um preço que serei eu mesma a pagar, para além de ser uma inutilidade de todo o tamanho.

Não permito que as pessoas se transformem em fantasmas ou espectros, muito menos as guardo em gavetas. Se não as quero ao pé de mim, envio-as e às suas energias de volta para o Universo. Só quero junto a mim o que for meu, o que não for, que retorne para onde veio.

Os esqueletos no armário atrapalham. Mais tarde ou mais cedo, atrapalham, porque há um dia em que, graças ao hábito, vamos abrir novamente o armário para guardar lá outro esqueleto e o armário rebenta pelas costuras, lançando sobre nós os esqueletos armazenados ao longo do tempo todos de uma só vez.

Eu prefiro lidar com um assunto de cada vez, resolver as coisas o mais rápida e eficientemente possível enquanto têm uma dimensão que justifique que perca algum tempo em torno delas e depois limito-me a seguir com a minha vida em frente e a procurar o caminho para ser feliz, sem espectros, sem fantasmas a perseguir-me.

Agora, que a frase dos Arcade Fire («just because you've forgotten, that don't mean you're forgiven») é uma grande frase, lá disso não há dúvida, mas é uma frase de ligação, uma frase que prende, uma frase que reflecte a vontade de alimentar uma cadeia (ainda por cima, negativa), uma frase que mantém um canal (negativo), ainda que invisível, entre as duas pessoas.

Ao invés, em idênticas situações, prefiro usar uma frase muito mais simples: «o Universo equilibra». Sim, é verdade: o Universo, à sua maneira, com as suas voltas e reviravoltas, no seu tempo e no seu lugar, equilibra. Há quem lhe chame «Deus a escrever direito por linhas tortas». Chamemos-lhe o que quisermos, mas que acontece, acontece. Basta estar atento aos sinais, porque «o Universo equilibra» e novos e indubitavelmente melhores destinos surgem diante dos nossos olhos. Sem espectros a assombrar nada, só uma imensa luz e uma enorme tranquilidade a servirem-nos de guia.

© [m.m. botelho]

5.9.11

senso comum

1.Don't be seduced by popular culture. It prevents you from thinking for yourself.
1. Não te deixes seduzir pela cultura popular. Impede-te de pensar por ti mesmo.

2. Don't fall in love with money. It will make you greedy and shallow.
2. Não te apaixones pelo dinheiro. Tornar-te-á ganancioso e superficial.

3. Don't use destructive language. It hurts others as well as yourself.
3. Não uses linguagem destrutiva. Magoa os outros e magoa-te a ti mesmo.

4. Don't judge other people. It's better to work on your own faults.
4. Não julgues as outras pessoas. É melhor trabalhares para corrigir as tuas próprias falhas.

5. Don't let anger get out of control. It can break relationships and ruin lives.
5. Não deixes a raiva sair do controle. Pode pôr fim a relações e arruinar vidas.

6. Keep a positive outlook on life. It's the first step to joy.
6. Mantém uma visão positiva da vida. É o primeiro passo para a alegria.

7. Bring out the best in other people. It's better to build up than to tear down.
7. Faz com que se revele o melhor das outras pessoas. É melhor construir do que demolir.

8. Have impeccable integrity. It brings peace of mind and a reputation of honor.
8. Tem uma integridade impecável. Traz paz de espírito e uma reputação de honra.

9. Help those in need. It really is better to give than to receive.
9. Ajuda os necessitados. É, realmente, melhor dar do que receber.

10. Do everything in love. It is the only way to find true peace and fulfillment.
10. Faz tudo com amor. É a única maneira de encontrar a verdadeira paz e a satisfação plena.
Hal Urban. «The 10 Commandments of Common Sense:
Wisdom from the Scriptures for People of all Beliefs»
[2007]. [tradução minha]

Nota: Mais citações do género, mas de inspiração exclusivamente budista, para acompanhar e meditar aqui, em princípio, diariamente; senão, conforme o meu tempo e dedicação e a minha disponibilidade para publicar.

© [m.m. botelho]

4.9.11

«uma breve confissão»


A Caruma. «Nossa Senhora do SIS».
Do álbum «A Caruma» [2010].

«Esta mente de que tens medo
nunca foi nenhum brinquedo.
Queres-me toda ou só "assim-assim"? [...]
Estes olhos não são património!
Estas pernas não são património!
Os ciúmes idiotas, as conquistas, as derrotas:
medo, é medo, muito medo de falhar!»


Adorei toda a letra desta canção, mas especialmente esta parte que aqui destaco. Tão verdade, às vezes, meu Deus, tão verdade!

© [m.m. botelho]

3.9.11

"em que é que está a pensar?"

Acerca do post anterior, perguntaram-me em conversa em que é que eu estava a pensar, concretamente, quando o escrevi. Respondi que aquilo em que eu estava a pensar não interessa ao leitor, pois a este apenas interessa aquilo em que ele próprio pensar aquando da leitura.

Isto é o mesmo que dizer que este blogue é um repositório de reflexões minhas, que partem de mim e são para mim. Não escrevo a antecipar o que os que vão ler vão sentir, pensar ou achar sobre aquilo que eu escrevi. Escrevo para mim [já aqui o disse, mas repito]. Sendo assim, é óbvio que as coisas que aqui são ditas podem ter uma interpretação e um significado para mim e outros para o leitor. E isso, que importa?

Este blogue raramente é uma plataforma de diálogo, se é que alguma vez o foi, a não ser para pessoas a quem eu aviso previamente e, regra geral, para falar de experiências boas que passámos juntos. Este blogue não tem como propósito entabular conversações, enviar mensagens, dar conselhos, "cagar leis" sobre a vida e o mundo para ninguém, a não ser para mim mesma. Raramente escrevo sobre os outros, porque eu é que sou o meu mais interessante objecto de análise. Isto talvez se chame narcisismo, mas neste momento estou muito pouco interessada em classificações de escola e muito mais interessada noutros aspectos e noutros assuntos.

Aqui, escrevo sobre mim, sobre o que eu sinto, sobre o que eu penso, sobre o que eu faço, sobre o que eu desejo. Não vale a pena ler os meus textos como se fossem algo mais do que isto: não passam de solilóquios meus. Também já disse aqui que, na vida, sou uma mera aprendiz sem pretensões de chegar a mestre e isso mantém-se. Não tenho vocação para ensinar a ninguém coisa alguma, só tenho vocação para partilhar com os outros as conclusões a que eu vou chegando, as quais têm a importância que se lhes quiser dar.

O que interessa ter em mente quando se lê qualquer post deste blogue é a frase que está lá em baixo, da autoria do filósofo canadiano Marshall McLuhan (que, curiosamente, morreu no mesmo ano em que eu nasci) e que diz assim: «I don't necessarily agree with everything I say». Porque esta frase não está lá em baixo, permanentemente visível, por acaso: está lá porque reflecte a minha inteira noção de que a mudança pode ocorrer na minha vida, de que o que penso não é estático, de que sei que às vezes tenho de repetir muitas vezes a mesma ideia para acreditar um pouco mais nela, porque a vida em sociedade assim obriga. Até esta frase, portanto, pode ter muitas interpretações.

Voltando ao post anterior. Quem o ler haverá de pensar no que quiser, naquilo que lhe fizer ressonância. Pode pensar em acontecimentos como a guerra, o Holocausto, a morte da Mãe, a perda de um Filho, a traição de um marido, a cobardia de um colega de trabalho, um fracasso pessoal, no que quiser! Aquilo em que eu pensei quando o escrevi, repito, é o que menos importa. Porque aquilo em que eu pensei apenas a mim diz respeito, apenas à minha vida se aplica e não é propósito deste blogue que a minha vida sirva de espelho a ninguém para que nele se reveja ou nele espreite para me tentar encontrar. Não é pela leitura de um blogue que se conhece o seu autor ou, sequer, fica a saber-se como ele pensa ou age em determinadas circunstâncias.

Se se lerem os blogues com isto presente, não haverá a tentação de fazer perguntas como a que me foi feita, nem haverá a tentação de se achar que se compreende o que está escrito exactamente como foi escrito, pois o que é lido nunca é igual ao que é escrito e ter consciência disto é apenas sinal de inteligência.

Por isso é que, pela minha parte, leio os blogues que leio pelo prazer de ler o que está bem escrito, sem pretensões de desconstrução, de análise, de compreensão daquilo que o autor queria dizer, estava a viver ou a sentir. Não me interessa isso: interessa-me o que o autor me disse, o que as suas palavras despertaram em mim e como as posso aplicar a mim e à minha vida e nada mais.

Não sei se é assim que os blogues devem ser lidos, só sei que é assim que eu os leio. E cada um lê o que quer, como quer, onde quer. O que posso afirmar é que por aqui, só haverá "explicações" adicionais quando eu entender e se eu entender [porque, por exemplo, preciso de reflectir melhor sobre um determinado assunto]. Aqui não se encontram lições de vida porque aqui não há mestres, só há uma aprendiz. E, ainda por cima, só há uma aprendiz ávida de conhecimento, descoberta e aperfeiçoamento, o que lhe deixa muito pouco tempo escrever posts longos, como os que eu escrevo, a pensar nos outros ou para que os outros deles tirem qualquer vantagem. Se tirarem, óptimo para eles. Se não tirarem, é porque não tinham de ou não podiam tirar.

© [m.m. botelho]

eu

[m.m.b.]
blogues: viagens interditas [textos] || vermelho.intermitente [textos]
e-mail: viagensinterditas @ gmail . com [remover os espaços]

blogues

os meus refúgios || 2 dedos de conversa || 30 and broke || a causa foi modificada [off] || a cidade dos prodígios || a cidade surpreendente || a curva da estrada || a destreza das dúvidas || a dobra do grito || a livreira anarquista || a mulher que viveu duas vezes || a outra face da cidade surpreendente || a minha vida não é isto || a montanha mágica || a namorada de wittgenstein || a natureza do mal || a tempo e a desmodo || a terceira noite || as folhas ardem || aba da causa || adufe || ágrafo || ainda não começámos a pensar || albergue dos danados || alexandre soares silva [off] || almocreve das petas [off] || animais domésticos || associação josé afonso || ana de amsterdam || antónio sousa homem || atum bisnaga || avatares de um desejo || beira-tejo || blecaute-boi || bibliotecário de babel || blogtailors || blogue do jornal de letras || bolha || bomba inteligente || cadeirão voltaire || café central || casadeosso || causa nossa || ciberescritas || cibertúlia || cine highlife || cinerama || coisas do arco da velha || complexidade e contradição || córtex frontal [off] || crítico musical [off] || dados pessoais || da literatura || devaneios || diário de sombras || dias assim || dias felizes || dias im[perfeitos] || dias úteis || educação irracional || entre estantes || explodingdog > building a world || f, world [guests only] || fogo posto || francisco josé viegas - crónicas || french kissin' || gato vadio [livraria] || guilhermina suggia || guitarra de coimbra 4 [off] || húmus. blogue rascunho.net || il miglior fabbro || imitation of life || indústrias culturais || inércia introversão intusiasmo || insónia || interlúdio || irmão lúcia || jugular || lei e ordem || lei seca [guests only] || leitura partilhada || ler || literatura e arte || little black spot || made in lisbon || maiúsculas [off] || mais actual || medo do medo || menina limão || menino mau || miss pearls || modus vivendi || monsieur|ego || moody swing || morfina || mundo pessoa || noite americana || nuno gomes lopes || nu singular || o amigo do povo || o café dos loucos || o mundo de cláudia || o que cai dos dias || os livros ardem mal || os meus livros || oldies and goldies || orgia literária || ouriquense || paulo pimenta diários || pedro rolo duarte || pequenas viagens || photospathos || pipoco mais salgado || pó dos livros || poesia || poesia & lda. || poetry café || ponto media || poros || porto (.) ponto || postcard blues [off] || post secret || p.q.p. bach || pura coincidência || quadripolaridades || quarta república || quarto interior || quatro caminhos || quintas de leitura || rua da judiaria || saídos da concha || são mamede - cae de guimarães || sem compromisso || semicírculo || sem pénis nem inveja || sem-se-ver || sound + vision || teatro anatómico || the ballad of the broken birdie || the sartorialist || theoria poiesis praxis || theatro circo || there's only 1 alice || torreão sul || ultraperiférico || um amor atrevido || um blog sobre kleist || um voo cego a nada || vida breve || vidro duplo || vodka 7 || vontade indómita || voz do deserto || we'll always have paris || zarp.blog

cultura e lazer

agenda cultural de braga || agenda cultura de évora || agenda cultural de lisboa || agenda cultural do porto || agenda cultural do ministério da cultura || agenda cultural da universidade de coimbra || agenda de concertos - epilepsia emocional || amo.te || biblioteca nacional || CAE figueira da foz || café guarany || café majestic || café teatro real feitorya || caixa de fantasia || casa agrícola || casa das artes de vila nova de famalicão || casa da música || centro cultural de belém || centro nacional de cultura || centro português de fotografia || cinecartaz || cinema 2000 || cinema passos manuel || cinema português || cinemas medeia || cinemateca portuguesa || clube de leituras || clube literário do porto || clube português artes e ideias || coliseu do porto || coliseu dos recreios || companhia nacional de bailado || culturgest || culturgest porto || culturporto [rivoli] || culturweb || delegação regional da cultura do alentejo || delegação regional da cultura do algarve || delegação regional da cultura do centro || delegação regional da cultura do norte || e-cultura || egeac || era uma vez no porto || europarque || fábrica de conteúdos || fonoteca || fundação calouste gulbenkian || fundação de serralves || fundação engenheiro antónio almeida || fundação mário soares || galeria zé dos bois || hard club || instituto das artes || instituto do cinema, audiovisual e multimédia || instituto português da fotografia || instituto português do livro e da biblioteca || maus hábitos || mercado das artes || mercado negro || museu nacional soares dos reis || o porto cool || plano b || porto XXI || rede cultural || santiago alquimista || são mamede - centro de artes e espectáculos de guimarães || sapo cultura || serviço de música da fundação calouste gulbenkian || teatro académico gil vicente || teatro aveirense || teatro do campo alegre || theatro circo || teatro helena sá e costa || teatro municipal da guarda || teatro nacional de são carlos || teatro nacional de são joão || teatropólis || ticketline || trintaeum. café concerto rivoli

leituras e informação

365 [revista] || a cabra - jornal universitário de coimbra || a oficina [centro cultural vila flor - guimarães] || a phala || afrodite [editora] || águas furtadas [revista] || angelus novus [editora] || arquitectura viva || arte capital || assírio & alvim [editora] || associação guilhermina suggia || attitude [revista] || blitz [revista] || bodyspace || book covers || cadernos de tipografia || cosmorama [editora] || courrier international [jornal] || criatura revista] || crí­tica || diário de notícias [jornal] || el paí­s [jornal] || el mundo [jornal] || entre o vivo, o não-vivo e o morto || escaparate || eurozine || expresso [jornal] || frenesi [editora] || goldberg magazine [revista] || granta [revista] || guardian unlimited [jornal] || guimarães editores [editora] || jazz.pt || jornal de negócios [jornal] || jornal de notí­cias [jornal] || jusjornal [jornal] || kapa [revista] || la insignia || le cool [revista] || le monde diplomatique [jornal] || memorandum || minguante [revista] || mondo bizarre || mundo universitário [jornal] || os meus livros || nada || objecto cardí­aco [editora] || pc guia [revista] || pnethomem || pnetmulher || poets [AoAP] || premiere [revista] || prisma.com [revista] || público pt [jornal] || público es [jornal] || revista atlântica de cultura ibero-americana [revista] || rezo.net || rolling stone [revista] || rua larga [revista] || sol [jornal] || storm magazine [revista] || time europe [revista] || trama [editora] || TSF [rádio] || vanity fair [revista] || visão [revista]

direitos de autor dos textos

Os direitos de autor dos textos publicados neste blogue, com excepção das citações com autoria devidamente identificada, pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

direitos de autor das imagens

Os direitos de autor de todas as imagens publicadas neste blogue cuja autoria ou fonte não sejam identificadas pertencem a © 2008-2017 [m.m.b.]. Todos os direitos reservados.

algumas notas importantes sobre os direitos de autor

» O âmbito do direito de autor e os direitos conexos incidem a sua protecção sobre duas realidades: a tutela das obras e o reconhecimento dos respectivos direitos aos seus autores.
» O direito de autor protege as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, por qualquer modo exteriorizadas.
» Obras originais são as criações intelectuais do domínio literário, científico e artístico, qualquer que seja o seu género, forma de expressão, mérito, modo de comunicação ou objecto.
» Uma obra encontra-se protegida, logo que é criada e fixada sob qualquer tipo de forma tangível de modo directo ou com a ajuda de uma máquina.
» A protecção das obras não está sujeita a formalização alguma. O direito de autor constitui-se pelo simples facto da criação, independentemente da sua divulgação, publicação, utilização ou registo.
» O titular da obra é, salvo estipulação em contrário, o seu criador.
» A obra não depende do conhecimento pelo público. Ela existe independente da sua divulgação, publicação, utilização ou exploração, apenas se lhe impondo, para beneficiar de protecção, que seja exteriorizada sob qualquer modo.
» O direito de autor pertence ao criador intelectual da obra, salvo disposição expressa em contrário.